Rui Cruz

Rui Cruz, o homem que seduz, foi concebido em 1985, em cima do frigorífico do quarto 217 do Hotel Panorama, em Luanda, tendo nascido, curiosamente, 9 meses depois. O seu nascimento foi largamente comemorado em todo o mundo, principalmente nos EUA, onde, e em alusão à sua estonteante beleza, todas as crianças são obrigadas a usar máscaras… o porquê de chamarem a esse dia Halloween é um mistério que nunca resolveu.

Aos quatro anos assistiu ao divórcio dos seus pais, que lutaram ferozmente pela sua tutela. O seu pai venceu, ficando então Rui Cruz a viver com sua mãe.

Desde cedo começou a interessar-se por football, podendo hoje dizer que lhe passou uma grande carreira ao lado, a carreira das 7h50m Coja-Arganil (aquele chauffeur é um perigo!).

Aos 11 anos leu o Sem Penas de Woody Allen e percebeu que a comédia afinal era engraçada porque fazia rir.

Sendo um rapaz extremamente precoce, cedo se interessou por raparigas, infelizmente a sua primeira namorada também.

Quando fez 14 anos fundou a sua primeira banda, com a qual teve grandes momentos ao longo dos 0 concertos que deu.

Em 2003 entrou na Universidade de Coimbra, onde passou os 4 melhores anos da sua vida… pelo menos é o que lhe dizem, ele pouco se lembra. Durante esse período foi co-autor do programa de rádio Mundo Rock… Ah! Ah! Vamos todos morrer! Ah! (Rádio Clube de Arganil), tendo este “acabado repentinamente” no dia em que os autores decidiram “brincar” com publicidade. Licenciou-se em Arqueologia e História, em 2007, e na sua primeira escavação destruiu um fémur com mais de 6000 anos, causando grande regozijo no seu chefe que ainda hoje o apelida, carinhosamente, de “o idiota”.

Em 2009, enquanto via Angélico Vieira na Tv a “cantar” o seu single Namorada, teve uma epifania e percebeu que queria ser comediante. Decidiu, então, tirar o Curso de Escrita de Humor nas Produções Fictícias, onde aprendeu que nem todas as piadas têm que ter “Malato” como punchline.

Apesar de ser um homem feliz, Rui Cruz ainda não realizou nenhum dos seus sonhos, que são: comer um ovo estrelado de Avestruz; fazer uma viagem à volta do mundo chegando sempre ao meio dia a todos os países; sair à noite com Toy, Valentim Loureiro e Berlusconi; marcar o golo da vitória do Sport Lisboa e Benfica na final da Taça dos Campeões de 1962 e inventar uma garrafa de cerveja comestível composta por tremoços.

Tem como grandes influências Ricky Gervais, Woody Allen, Larry David, Jimmy Carr, The League of Gentleman, João Quadros, Frankie Boyle, Salvador Martinha, It’s Always Sunny in Philadelphia, Family Guy, Rui Sinel de Cordes, Monty Python, Fawlty Towers, Herman José, Este Senhor (Bondage), entre outros.

É co-fundador do grupo de comédia Aristocratas e autor do blog Força na Maionese (http://forcanamaionese.blogspot.com).

Fotos: Rui Velindro

Anúncios

2 responses to “Rui Cruz

  • Anabela Borges

    MUITO BOA!O que mais gostei, embora toda a Biografia esteja “bem esgalhada”, é a parte «de sair à noite com Toy, Valentim Loureiro e Berlusconi;inventar uma garrafa de cerveja comestível composta por tremoços.» :)))
    Boa ideia essa da garrafa!Principalmente se fosse posta a circular em plena Queima das Fitas em Coimbra… eheheh!
    PARABÉNS! FORÇA A TODOS OS ARISTOCRATAS!
    VOCÊS AINDA VÃO DAR MUITO QUE FALAR NO PANORAMA DA COMÉDIA EM PORTUGAL!

  • Não chegaste a perguntar...

    JC did it 4 the chicks!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: