Category Archives: Uncategorized

As reações à vitória na Suécia

Image

“Hã… a bola, hã, eu não vi tipo, a bola e depois, pum, ela, tipo, pum, e eu, fogo, tipo, ya. Mas é trabalhar.”

Image

“Desculpe, não consigo falar muito agora, porque ainda tenho um sueco entalado nos dentes.”

Image

“Estou muito feliz por ter apurado o meu país para a Copa do Mundo do meu país. Agora sei o que nós, portugueses, sentimos no Euro 2004, jogar uma Copa em casa tem outro sabor.”

Image

“Não foi falta aquilo, c**”#$%? Aquele filho de cem p#$% faz golos porque é em casa dele. A ver se ele fez lá na minha terra. Até lhe fod*#$%& a penca, c#$%*£$! Agora é ir ao Brasil jogar bonito. Ou então dar pau, c*#$*%#, o que interessa é a gente ganhar, f***-se!”

Image

“Dei o meu melhor, mas tive de sair. Toda a gente viu que eu estava coxo. Menos os adeptos do Real Madrid, que acham que eu sou mesmo assim.”

Image

“Tive receio quando deixaram a cobertura do estádio aberta, mas felizmente o Ronaldo tem um gel fixador forte e o jogo acabou por decorrer com normalidade. Senti alguma desconcentração na cabeça a meio da segunda parte, mas depois cuspi para a mão e passei-a na franja e a situação voltou a estabilizar.”

Image

“Acho que fiz o meu trabalho, que era garantir que Portugal tinha sempre um jogador mais esquisito que o nariz do Ibrahimovic. Agora posso finalmente deixar de ter esta crista e barba do Zangief e optar por um visual mais discreto. Estou na dúvida entre os dois fios de cabelo do Homer Simpson e o tufo da Ovelha Choné.”

Image

“Foi mais um dia de trabalho. Ganhei as bolas, engoli o meio campo adversário e fiz assistências a rasgar a defesa. Agora não posso falar mais porque ainda tenho de carregar as bolas, engraxar as chuteiras, pentear o Miguel Veloso e pôr duas máquinas de roupa a lavar, que com este frio eles usam mais peças de roupa.”

Image

“Fiz um jogo esforçado. Se fui ofuscado pelo Ronaldo? Eu não tento imitar o Ronaldo, isso é mania das pessoas. Eu jogo para a equipa. Estou feliz com o meu jogo porque defendi mais que o Ronaldo, fui mais disciplinado taticamente que o Ronaldo e no sprint para o autocarro ganhei ao Ronaldo.”

Image

“Melhor do mundo?! Nah, eu não sou o melhor do mundo, eu limito-me a ser o Cristiano Ronaldo. O Cristiano Ronaldo é que é o melhor do mundo, mas isso já é com ele. Queria dedicar a vitória a todos os portugueses e dedicar a noite de hoje a todas as suecas que quiserem passar no quarto 308, que o Cristianinho ficou em Portugal. É na boa.”

Image

“O mister disse para eu lutar e tentar marcar golo. E foi isso que eu fiz. Lutei, lutei, lutei, e depois quando tinha a baliza aberta para marcar, optei por TENTAR marcar, que foi o que o mister mandou. E eu faço tudo o que o mister manda. Menos a tabuada do 7.”

Image

“Pressão?! Claro, dá mais medo que jogar no Sporting. Aqui o Ibrahimovic podia me querer bater e eu tinha de me defender, no Sporting eu sei que se alguém nos quiser bater, ainda eles não levantaram a mão, já o nosso presidente saltou do banco e aviou porrada neles todos.”

Image

“Foi, hã… foi um jogo, um jogo, um jogo, hã… difícil… difícil. Mas nós, hã, com, com, com… hã… portanto, lá, lá, lá, lá, lá… hã…. conseguimos. E agora, agora… agora é, é, é, é, é, é… disfrutar. Já me, hã, ligaram… ligaram, do Brasil, a dar, a dar, a dar, hã… os parabéns e, e a convidarem-me para, para, para, hã… cantar… cantar, aquelas músicas do, do, do, Chu, Chu, Chu, hã, Chá, Chá, Chá, porque eles, eles ouvem-me… ouvem-me a, a, a, a, falar e acham… e acham… que eu sou… que eu sou, hã… bom para, para, hã, repetir… repetir palavras até, até, até… à exaustão.

 

Sigam os Aristocratas em

http://www.facebook.com/aristocratas

2168751_full-lnd

Anúncios

Grande Charada dos Marrões!

Image

Responde a esta charada indo ao facebook dos Aristocratas ( http://www.facebook.com/aristocratas ) e mandando mensagem privada.

Se acertares, ficas com a tua foto de perfil e dizes aos teus pais “Vês como sou bom(boa) a matemática?!”.
Se errares, muda a foto de perfil para um número à tua escolha durante 3 dias e pede desculpa a todos os marrões das tuas turmas com quem gozavas.

Depois copia para o teu mural este texto e continua o jogo. Porque se fazes isso por uma girafa, também fazes isso por todos os marrões maltratados desta vida!

 

“São 4 da manhã, o Nove e o Três estão a assaltar a 17ª casa numa semana. Sem darem por isso, são apanhados por um polícia e enfiados num armazém. O polícia saca uma pistola com uma bala na câmara. Antes de disparar, diz para um deles:

‘Para acabar com este mal, vou ter de te limpar o sebo.’

Qual dos ladrões é que ele matou? E porquê?”

( Charada criada pelos Aristocratas. Sigam-nos em http://www.facebook.com/aristocratas )

 


Dicionário de Português, Edições Abel Xavier

Image

 

A

Apita (A-pita): Uma adolescente que usa o Ask.fm;

Arroto (Ar-roto): Massa de oxigénio com tendências homossexuais;

 

B

Bulimia (Bule-e-mia): Trabalha com afinco enquanto imita um gato.

 

C

Camaleão (cama-leão!): [Gíria] Mandar um sportinguista dormir.

 

D

Dinastias (Dinas-tias): [Calão] Fufas de Cascais.

 

E

Embaraçada (Em-bar-açada): Senhora a enfrascar-se em álcool para esquecer a irritação nas virilhas.

 

F

Fiscal (fis-cal): Criei óxido de cálcio.

 

G

Gerador (Gera-dor): Nome dado, na gíria, ao Orçamento de Estado para 2014.

 

H

Hidrogénio (Hidro-génio): indivíduo que denota conhecimentos fora do comum sobre água.

 

I

Involuntária (In-Voluntária): Pessoa que ajuda os pobrezinhos porque é chique.

 

J

Javali (Java-ali): Indicação do único computador da casa onde se consegue fazer o IRS online.

 

K

Koala (Ko-ala!): Mandar alguém levantar o rabo e dar de frosques.

 

L

Lambrusco (Lam-Brusco): Casamento entre uma ovelha e um Carrilho.

 

M

Mascara/Mascaro (Mas-cara/Mas-caro): Refutação de qualquer argumento da sua mulher sobre compras.
E.g.:
– Esta saia é tão LINDA!
– Mascara.

 

N

Net: Filho do filho de um algarvio.

 

O

Ovários (Oh!-Vários!): Resposta que as pitas do Urban dão à pergunta “Já foste para a cama com algum homem?”

 

P

Paixão (pai-xão): Soalho que reclama a paternidade de alguém:

Primazia (Prima-azia): Alcunha que se dá àquela prima gorda com buço, que dá a volta ao estômago só de ver.

 

Q

Qualidade (Qual-idade): forma discreta e educada de falar da idade a uma senhora. E.g: “Esta gaja tem qualidade?”

 

R

Rebanho (Re-banho): Ato de se lavar novamente, tal é a camada de sarro que você tinha nesse corpo.

 

S

Simpatia (Sim-pa-tia): Dar a sua concordância ao que a irmã da sua mãe disse.

 

T

Turbolento (Turbo-lento): Chaço que tem um autocolante a dizer “Turbo” e dá 90 a descer.

 

U

Unguento (Un-guento): Expressão elogiosa que compara um jogador a uma estrela do Real Madrid das décadas de 50 e 60.

E.g.: Eh pá, este gajo joga! Temos aqui unguento!

 

V

Vidente (Vi-dente!): Interjeição de espanto que os sportinguistas proferem quando vêem um benfiquista que não corresponde às suas expetativas.

 

W

Wasabi (W-a-sabi): Expressão muito usada para fugir com o rabo à seringa, criando um amigo imaginário chamado “A”.
E.g.:
– Alguém sabe quem é o culpado disto?
– Wasabi.

 

X

Xabregas (Xá-Bregas): Rei da Pérsia que fala como a Fanny.

 

Y

Yakuza (Y-akuza!): Que ainda tem a lata de por as culpas noutras pessoas.

 

Z

Zaragata (Zara-gata): Gaja que até com roupa de 10€ é boa.

 

Sigam os Aristocratas em

http://www.facebook.com/aristocratas

 


É a interpretação, estúpido!

Olá, leitores que aspiram a ser uns grandes palhaços.

Por “palhaço”, obviamente interpretem “pessoa de elevado porte intelectual”. Nem deveria colocar esta justificação no meu texto, não fosse Rui Machete ter acendido em todos nós aquela luz de alerta que nos lembra de que somos um povo inquisitório, que ao invés de entender que a língua portuguesa tem muitas interpretações, prefere acender as tochas da intolerância semântica e perseguir os palhaços do Governo (vide sinónimo acima).

Image

O Ministro dos Negócios Estrangeiros é apenas o último alvo dessa ignição de ignomínia ignorante. E nem devia estar admirado por ninguém saber interpretar as suas interpretações. Caramba, se nós precisamos de ler os apontamentos Europa-América para interpretar coisas como os quatro heterónimos de Fernando Pessoa, quanto mais para interpretar coisas como os trinta e um cargos acumulados por Rui Machete.

É por isso que Rui Machete se desdobra de forma tão produtiva em desculpas novas a cada intervenção. Porque este povo é tão estúpido que não consegue ouvir a primeira desculpa e interpretá-la como verdade universal. Não. Para este povo estúpido é preciso arranjar 10,5 milhões de desculpas diferentes, porque isto são indivíduos que são capazes de andar todos com a mesma t-shirt da Zara, mas quando é para ouvir desculpas cada um já pensa pela sua cabeça. Ó, gentinha.

Rui Machete pediu desculpas a Angola? E então?! O júri dos Emmy nomeou o Windeck! Se interpretarmos bem, ao pé disso um pedido de desculpas com intromissão no poder judicial chega a ser insultuoso, de tão pouco bajulador que é.

Image

Rui Machete recebia o ordenado sob a forma de um seguro de vida? Mais uma vez, aprendam a interpretar e verão que faz sentido. Então se o senhor tivesse um acidente no trabalho e morresse, quem pagava a pensão à família? O Seguro de Acidentes de Trabalho. Ora se se dá o caso de o senhor estar vivo no local de trabalho, quem lhe deve pagar o salário? O seguro de Vida. Faz todo o sentido. Mais a mais, interpretando aquilo que o trabalho destes senhores gerou às finanças do país, pode-se interpretar que o facto de eles estarem vivos e a labutar no BPN é, de per si, um acidente. Catastrófico.

Mais do que criticar Rui Machete, é importante interpretar o percurso deste grande homem para perceber onde terá Rui Machete aprendido a ser a Edite Estrela do nosso Governo. Terão sido ensinamentos do BPN? Hm, duvido. Basta ouvir uma audiência de Oliveira e Costa para perceber que, quer ao nível do léxico, quer ao nível da esfarrapadela que dá às desculpas, estamos perante o Jorge Jesus da banca. Eu tenho para mim que esta capacidade de levar a interpretação da língua portuguesa aos quatro cantos do mundo adquire-se no próprio MNE, um ministério onde “saída irrevogável” significa “quero uma promoção” ou “problemas técnicos para aterragem” significa “cá para mim o gajo trazia o Snowden a bordo. Eu não confio em anões de poncho”.

Image

Conclusão: é no MNE que se aprende a ser um arauto da interpretação linguística. E se calhar é por isso que não conseguimos voltar aos mercados e a nossa imagem internacional continua na mesma: é que se queremos um Ministério dos Negócios Estrangeiros para potenciar a nossa cultura, convinha criar um Ministério da Cultura para tratar dos nossos negócios estrangeiros.


Ideias pós-autárquicas para tornar o país mais interessante

Image

As  eleições mais divertidas de Portugal acabaram, deixando em nós uma depressão pós-autárquicas. E agora, caramba? Onde é que eu vou ouvir músicas foleiras com letras horrendas? Tenho de esperar pelo próximo single da Fanny? E onde é que eu vou ver pessoas feias a dar calinadas, para além do Quem Quer Ser Milionário? Não sei, são muitas questões. Sinto-me triste.

Ora, é por saber que vocês padecem do mesmo mal que vos trago 11 ideias (não confundir com 11 jogadores sem ideias, isso foi ontem) para aproveitar os ensinamentos das autárquicas e tornar este país mais interessante.

1. Formar Ninjas em Gaia para negociar um 2º resgate. Acho que conseguimos sacar o dinheiro à gorda sem ela dar por isso.

2. Substituir a lenda de D. Sebastião pela lenda do Francisco Louçã. Já ninguém acredita que o puto volte de África, e sempre era giro ver os militantes do Bloco em dias de nevoeiro a agarrar tudo o que é gigantone com óculos de 1990 e a dizer “Voltaste! Voltaste!”

3. Colocar um Carlos Abreu Amorim em cada casa, virado de costas. Os chineses dizem que dá sorte.

Image

4, Lançar um livro de auto-ajuda a políticos do PSD, baseado no case study do CDS: “Como aumentar o número de câmaras à velocidade com que se aumenta a dívida pública”

5. Organizar excursões de fãs da série “Modern Family” ao Porto, para verem o Phil Dunphy a governar uma cidade.

6. Usar a cara de derrota do Luís Filipe Menezes em campanhas de Associações de Apoio à Vítima.

Image

7. Construir um Kremlin no Alentejo.

8. Aproveitar a vitória de Recto no concelho do Redondo e fazer uma mega produção porno, em que a Erica Fontes come um presidente da câmara que também é vampiro: “Recto no Redondo: fornicada na urna.”

9. Organizar um mega evento de boxe entre o Floyd Mayweather e o Fernando Seara. Não se preocupem com o Seara: quem levou aquela coça do António Costa aguenta tudo.

10. Renomear Odivelas para “Loures do Sul” e arranjar uma guerra contra “Loures do Norte” e o seu líder, Bernardin Jong-Un.

Image

11. Criar o movimento “Carregueira Mais à Frente” e vê-los ganhar as próximas legislativas. Se calhar isto só lá vai com Isaltino Morais a Ministro das Finanças, Vale e Azevedo nos Negócios Estrangeiros e Carlos Cruz com a pasta da Juventude.


Punir o piropo homem-mulher é inconstitucional!

Image
Exmos. Srs. Juízes do Tribunal Constitucional,

Como este será o 3257º pedido de verificação que V. Exas. recebem hoje – e não estou a contar com os enviados pelo Cavaco, que já deve ter um gestor de conta particular no TC –, vai ser uma carta rapidinha (salvo seja).

Eu não estou contra isto do piropo poder dar direito a multa. Sempre se fazia mais uns cobres para tapar-nos o buraco (salvo seja) e, se formos a ver, quem manda piropos normalmente é trabalhador de classe média/baixa ou reformado, e está na altura dessa gente começar a pagar a crise – já chega de malhar (salvo seja) nos políticos, na maçonaria e nas PPP, caramba!
Mas há, para mim, algo que é ferido de inconstitucionalidade e cheira mais a feminismo que um jantar de gordas encalhadas no dia de São Valentim: a tónica incidir sobre uma suposta “violência de género” – homem contra mulher.

Ora hoje há mais vias e sentidos no engate foleiro do que homem-mulher. Se não acreditam, vão ao Urban ver as pitas e depois venham-me dizer qual é que é o género mais badalhoco. Posto isto, dou-vos duas (salvo seja) questões:

1. Faz sentido falar em violência de género contra a mulher se for uma lésbica a dizer “Ó boa! Metia-me uma uva na boca e chupava-te o grelo até sair vinho!”? (salvo seja, não sou eu que estou a dizer)

2. Faz sentido um sistema que pune um servente heterossexual por mandar uma boca fatela, mas se o servente atracar de popa não acautela legalmente o cidadão transeunte contra um “Ó grosso! Partia-te essa bilha até te faltar o gás!”? (salvo seja)

Não faz. Portanto, querem multar os piropos, multem. Mas se é para comer, que comam todos por igual. (salvo seja)

 

 Ass: Um cidadão preocupado

 

PS: Obviamente falei apenas em multa, nunca em prisão. Não faz sentido punir um gajo que faz piropos sobre sexo anal mandando-o para um sítio onde vai apanhar o sabonete. (salvo sej… não, aqui o sentido é mesmo esse)

Image


“O doce sabor das férias”

Image
Sou como abelhas que picam
E repicam a carcaça,
Sempre a meter pirraça
Aos meus colegas que ficam.

“Ah! Nunca mais era Agosto!”
– grito aos ouvidos do chefe;
Faço um manguito, ao de leve,
Enquanto arrumo o meu posto.

Chupem, que vou para as Seychelles!
Ou ia, se fosse rica.
Não sou; vou p’rá Caparica
Gramar ‘avec’ e ‘poubelle’s

Levo uma hora para ir
E duas a vir p’la ponte,
Já bufo como um bisonte,
E os putos a ganir!

A casa ’tá intragável
Enquanto o Pedro, qual morto,
Jaz na cama a ver o Porto,
Seja Liga ou amigável.

“Ah, nunca mais é Setembro!”
– grito p’ra toda a família;
Depois de um mês em quezília,
Quero voltar p’ró emprego!

Image


http://www.facebook.com/aristocratas


Larguem o bebé real! Dêem miminhos ao novo governo!

ImageImage

O português não gosta do que é seu. Está nos genes Eu ainda nem escrevi vinte palavras e já não gosto deste texto. Porque é meu. Estivesse escrito em inglês e já estava a rebolar no chão. “‘Portuguese hate their own stuff.’ Ahahah, estes ingleses é que nos topam, pá!”

Não me surpreende, pois, que achemos muito amoroso o nascimento do bebé real inglês e não tenhamos o mínimo gesto de fofura para com o nascimento do novo governo. Eu acho isso vergonhoso e apresento cinco razões após as quais, se você continuar a achar o bebé real mais fixe que o novo executivo, devia apanhar um escaldão nas virilhas e chover todo o ano à sua porta, seu camone de uma figa.

 

1. A transparência

Ai o CV de Rui Machete não inclui a sua passagem pela SLN? E a notícia do bebé real não inclui que ele nasceu de uma queca entre o William e a Kate! Ah… afinal não é só o Governo que oculta o seu passado pornográfico.

 

2. A produtividade

O bebé real já nasceu e ainda ninguém lhe deu um nome. O novo Governo ainda nem tomou posse e já metade da população lhe chamou todos os nomes e mais alguns.

 

3. O efeito no país

O bebé real só daqui a uns 20 anos é que vai contribuir com algo para o país. O novo governo vai já fazer algo de positivo para Portugal em 2015, nomeadamente sair.

 

4. A modernidade

O bebe real é chato e tradicional: foi concebido naturalmente por uma homem e uma mulher. O novo governo é vanguardista: toda a gente vê que é artificial e resulta da união de dois homens, em que um usa camisas abertas até ao peito.

 

5. O esforço

Para parirem este novo governo, Passos e Portas tiveram de ouvir o Presidente da República e levaram uma semana com o António José Seguro. Isso era o mesmo que obrigar o William e a Kate a ter aulas de educação sexual com a Isabel II e a conceber o bebé numa mènage a trois com a Camila Parker Bowles.

Aí sim, dava-lhes valor.


Chapéus há muitos, Rui Costas (e Carlos Sás) há poucos

Image

O BPN foi provavelmente o maior esquema fraudulento de sempre em Portugal e já custou centenas de milhões de euros ao Estado português. E o que chateia mesmo, mas mesmo o português neste momento? São aquelas moedas do Euro 2004 terem custado quase 30 milhões. Principalmente porque muitas delas devem ter a cara do Scolari.

Os jornais desportivos, mais do que ninguém a não ser o Sócrates, sabem que nós temos esta capacidade de enfatizar o acessório e regredir na espécie quando se fala de futebol. Já vi gente andar à porrada, à pedrada, morrer em estádios. Por outro lado, nunca vi um adepto da Movistar dizer “Eu se apanho um gajo com a camisola da Saxo Bank parto-lhe a tromba toda!” Não sei porquê, mas pronto, o ciclismo não nos puxa para a porrada.

Nem para o insulto. Os comentários às notícias online sobre futebol estão cheios deles: há os SLBosta, os boifiquistas, o FC Porco, os corruptos, o Zbordém, a lagartagem. Já nos comentários ao ciclismo falta aquele cheirinho gostoso a tasca foleira. Não há os “Sexo Bang” ou os “Sky Levante-se, Panasca!”. Ninguém perde tempo a inventar alcunhas para gozar com os defensores do “Rui Bosta”, do “MalVerde”, do “Chris Frootinha” ou do “Alberto Comprador de Droga” – ao que os adeptos de Alberto Contador responderiam, furiosos, “ó Anónimo das 15.52h, tu deves ser daqueles otários fdp que batia palmas ao Lance a Droga Bate Strong, meu ganda boi!” Isto sim, puxava as audiências do ciclismo lá para cima.

As capas dos jornais refletem, infelizmente, as prioridades de quem os compra. Quantos leitores de jornais desportivos sabem de que clube veio o Markovic? Cerca de todos. E quantos é que sabem qual a equipa anterior do Rui Costa? E que ultramaratonas já correu o Carlos Sá? Sinceramente, quantos é que sabiam até hoje que existia o Carlos Sá?
(http://www.carlos-sa.com Só para não dizerem que eu só mando bocas e não promovo o conhecimento alheio)

Image

Mas a razão maior desta ânsia futeboleira é o facto de o português gostar de viver de expectativas altas e valentes depressões. E isso é a essência do futebol.

Reparem: o Markovic fez um chapeú a um guarda-redes da I divisão suíça. Isso não conta para nada, mas faz o adepto sonhar “Hoje num amigável, amanhã na final da Champions. É um pulinho”

Já as vitórias do Rui Costa e do Carlos Sá não fazem sonhar. Já ganharam. O que é isso?! Chegar e ganhar? Ao fim de centenas de quilómetros? Sem bocas de pré-época, sem casos disciplinares, sem desistir,  sem um “ai, estava muito calor e a água não estava suficientemente fresquinha”? Pff. Isso nem é português, caramba. Não cria expectativas, não gera desilusões. Ninguém vai dizer “Bem, se logo na primeira ultramaratona de Badwater o Carlos já conseguiu ganhar a medalha de ouro, para o ano então ainda ganha a medalha de… ah, pois, já ganhou.”

O português não gosta de vitórias. O português gosta de sinais de potenciais vitórias que depois não se concretizam e dá para apontar o dedo e gozar com os outros.

É por isso que hoje as capas dos jornais vibram com o chapéu do Markovic. É por isso que os adeptos ralham com a importância que dão ao Benfica em vez de falarem do Rui e do Carlos. E é por isso que a palavra mais usada por esses mesmos adeptos nos comentários continua a ser “Rui C…”, não espera, é “Carlos S…”, ai não, espera… “Melão”. É isso, “Melão”.

 


Façam o favor de sair

 

A Presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, pondera rever as regras de acesso dos cidadãos às galerias e os cidadãos ponderam rever o acesso da Assunção Esteves ao parlamento.


%d bloggers like this: