Diários de um homem santo

diariosDia 3 de Janeiro

Não sei o que raio pensa esta gente. Como é que uma mulher com 5 filhos e desempregada consegue cair na cantiga e dar-me para a mão 10 euros sem pedir nada em troca? É que nem foi preciso puxar muito por ela! Três ou quatro frases feitas, um tom de voz calmo mas firme, uma falsa ameaça moral e já está. Não sei quem é que inventou isto, mas sei que o gajo percebia mais de burla do que o Vale e Azevedo. Abençoado seja!

Dia 14 de Janeiro

O António está a crescer. Na última semana cresceu-lhe o buço e já começou a mudar a voz. Não faltará muito para começar a ganhar pelos na pernas e braços e para começar a sair à noite com os colegas. Está na altura de o deixar ir. O Jorge é mais novo, ainda tem alguns anos de criancice pela frente. Terei de me contentar com isso por agora. Hoje já vai ficar mais umas horas comigo, a aprender o que preciso. Tenho de ir à mercearia comprar mais caramelos.

Dia 29 de Janeiro

O jantar com o Presidente da Câmara não podia ter corrido melhor. Boa comida, vinho do melhor, digestivos de bradar aos céus, tudo pago pela autarquia, e ainda consegui aquilo que queria. Este pessoal da política passa meia dúzia de anos no poder e esquece-se de quem realmente manda na coisa. Eles estão lá 4 ou 8 anos, eu estou cá até querer! Mas pronto, ficou tudo resolvido. Eu faço campanha no meu trabalho e a Câmara dá-me o terreno junto ao rio, ainda paga 80% da construção do edifício e fecha os olhos aos meus negócios “paralelos”. Por falar nisso, tenho de telefonar ao Khalil a ver se já receberam as munições.

Dia 7 de Fevereiro

Que noite! Estes encontros com colegas são sempre uma desgraça. Estou com uma ressaca que nem me tenho em pé! Nem sei como é que o José não se vomitou todo. O gajo deve ter fumado uns 3 maços de tabaco só à noite… fora os petardos! O outro não sei, mas se é assim que se festeja no Fundão, vou pedir a transferência! Até tenho medo de ir ver como está a sala… Espero que pelo menos tenham levado a puta embora e deixado um bocado de coca.

Dia 14 de Fevereiro

Hoje vem cá o Jorge,  já não o vejo há uns dias. Foi com a mãe cinco dias de férias a França, mas hoje está cá. Estou com saudades. Preparei um almoço especial e tenho uma surpresa para ele. Espero que ele não esteja tão tenso como da última vez. Se calhar hoje deixo-o provar um copo de vinho ao almoço, para ficar mais relaxado.

Dia 16 de Fevereiro

Eh pá! Hoje estou uma pilha! Perdi duas horas no trânsito por causa de uma manifestação gay qualquer! Malditos paneleiros! Havia era de haver pena de morte para eles todos. Homens feitos a levarem com outros homens feitos, gajas a chafurdarem umas nas outras como porcos na manjedoura!  Aberrações, é o que é. “Somos todos iguais”… Vocês são é um receptáculo de SIDA, seus nojentos! É que nem vou esperar, deixa-me só entrar ao serviço e vão ver se não vou convencer toda a gente disso mesmo, hoje! Para alguma coisa serve este trabalho.

Dia 17 de Fevereiro

Vou emigrar. Os anos de serviço irrepreensíveis finalmente chamaram a atenção. Telefonou-me agora o José a dizer: fui nomeado novo Papa.

Anúncios

One response to “Diários de um homem santo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: