Atenção: Burla

É sempre importante estarmos atentos aos esquemas perpetrados pelos criminosos. Se muitas das burlas clássicas são do conhecimento de todos – como os esquemas de pirâmide, os e-mails a pedir dados bancários ou o sistema financeiro mundial – não é compreensível que ninguém aborde uma das burlas mais antigas da área da restauração e que continua a acontecer hoje em dia: o entrecosto.

Eis como funciona: uma pessoa entra no restaurante para tomar uma refeição, o empregado traz-lhe a ementa, a pessoa selecciona na secção “Carne” um prato denominado de “Entrecosto” – cuja dose ronda os dez euros – e o empregado traz-lhe um prato cheio de ossos, com um farripas de carne à volta. Quando questionados sobre onde está a carne, os empregados resguardam-se no argumento “o prato de entrecosto é sempre assim”. Infelizmente, este argumento tem validade legal, pois devido à incompetência dos nossos legisladores não existe qualquer punição para este elaborado esquema.

Porque vamos lá ver uma coisa: quando eu peço um prato de carne cuja dose custa dez euros, eu espero que me venha um naco de chicha gigante que permita satisfazer a minha gula. Não quero pagar para andar a roer um sem fim de pequenos ossos porque, apesar de até ter algumas semelhanças, eu não sou um cão. Aliás, se fosse um cão até seria mais fácil comer entrecosto. Porque como ser humano que usa utensílios para comer – manias minhas – se não quiser passar fome, tenho que estar a separar minuciosamente a carne de cada um dos minúsculos ossos. Ora todo esse processo é complexo e demora bastante tempo. Ou seja, em vez de estar a pagar para disfrutar de uma belo prato de carne, estou a pagar para realizar uma cirurgia às costelas de um porco.

Eu cá não caio mais nesta burla. Sempre que quiser comer carne, peço um bife tenro e suculento. E para aqueles que dizem “a carne do entrecosto é mais gostosa do que a de um bife”, deixem-me clarificar a minha posição: estes tipos de carne são como tipos de mulher. O entrecosto é uma mulher anorética que é uma fera sexual, mas que dá um trabalhão para levar para a cama e, quando finalmente conseguimos, apenas nos permite mandar uma rapidinha que não nos deixa satisfeitos. Por outro lado, o bife é aquela mulher com curvas, fartos seios e coxas roliças, que não é nada de outro mundo na cama mas que está sempre ali à nossa disposição, com a qual podemos fazer sexo durante bastante tempo e que nos deixa sempre satisfeitos.

Finalmente, para o leitor que está a pensar “se não gostas de entrecosto, não o peças”, eu acho que isso é assumir aquela postura de “eu estou safo”, ignorando todas as outras pessoas que serão vítimas desta burla. Muito à semelhança do que se passa com o sistema financeiro mundial.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: