ossos do ofício

Proença-a-Nova, 31 de Agosto de 2011

Esta crónica vai ser curta. Por duas boas razões: estou de férias e estou de baixa. Ou melhor, o meu ombro direito está de baixa (agora experimentem teclar uma crónica só com a mão esquerda, a ver se conseguem…).

Explico: na semana passada desloquei-me em trabalho a uma zona de praia, mas o meu ombro direito é garganeiro e quis deslocar-se mais do que eu. Decidiu boicotar uma “carreirinha” e saltar fora do sítio. Um ombro sem hombridade, é o que é.

Alguém me viu de braço ao peito e disse “são ossos do ofício”. Eu corrigi “são ossos deslocados do ofício”, sabendo na verdade tratar-se de uma estupidez sem limite, já que foi a segunda vez na vida que deixei uma “carreirinha” enrolar-me e mandar o meu braço direito para fora de pé (e dói como o raio!).

E agora, a parte do texto em que vão dizer “é bem feita”. Isto aconteceu em Cabo Verde. Mar azul-turquesa, transparente e quente. Roam-se.

Pena que o mar de Cabo Verde desconheça o conceito de “morabeza”.

E vai mais um “voltaren” pela goela abaixo. As melhoras, e boas férias.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: